Da Weasel no encerramento do Johnny Guitar – Data: 1997

Na passada quarta-feira, os Da Weasel foram o grupo convidado para dar continuidade à série de espetáculos que marcaram o encerramento do Johnny Guitar. E como a ocasião era especial, vá lá saber-se se de festa ou de pesar, o grupo que acaba de editar “3º Capítulo” subiu ao palco (ao degrau?) daquela sala da Calçada Marquês de Abrantes em formato não só reduzido como musicalmente alterado. Sem Armando Teixeira. habitualmente responsável pela manipulação das máquinas que dão apoio aos instrumentos «tradicionais», a prestação dos Da Weasel foi, ao contrário de quase todas as outras desta série de espectáculos no Johnny Guitar, elétrica e ruidosa.

Interrompida por uma visita policial à porta do recinto (a recordar os melhores dias do Johnny Guitar), a prestação dos Da Weasel atingiu mesmo momentos de calamidade sonora, sobretudo quando o grupo atacou uma versão hardcore de «Adivinha Quem Voltou». O povo, esse, mantinha-se satisfeito. Foi mesmo em jeito de despedida, descomplexada que o grupo apresentou um curto alinhamento. Confessando não ter ensaiado especialmente para o efeito, conseguiram a difícil tarefa de surpreender aqueles que lhes dedicam atenção.

Suportados pelo baixo de Jay Jay e, com pouco comum destaque, pela guitarra de Quaresma, sentida e espontânea homenagem ao espaço que assistiu ao gatinhar do grupo.

DO último álbum, «3° Capítulo», os Da Weasel trouxeram ao Johnny Guitar «Todagente», «Pedaço de Arte», fazendo-os desfilar em regime eléctrico mas apenas baseado na guitarra, no baixo e na bateria. Como o momento era de celebração, da banda e não do espaço, entenda-se, a turba, que mais uma vez deixou a sala com uma atmosfera respirável, o formato «roqueiro» foi acolhido com ampla alegria, com toda a gente a negar qualquer nesga de descanso que pudesse ser vislumbrada no horizonte.

Com um encore entusiasmado e com a banda a mostrar que o encerramento do Johnny devia ser muita electricidade e volume sonoro, os Da Weasel  repetiram parte do alinhamento tocado até então, facto com que poucos se importaram. As doninhas, como se auto-intitularam, mostraram saber o que fazer quando as máquinas ficam em casa. E esse foi o mais saboroso elemento de todos.

in Blitz

Partilha este artigo via:

Entra na toca da doninha.
Junta-te ao clube de fãs oficial